Procura-se

Fiz um rasgo no chão

De fora a fora

Olhei a cicatriz

Que jamais sairá

Chão não tem queloide

Que sorte/

Bati a cabeça na parede

De propósito

Parede não tem cérebro/

Nem a dureza das construções

Nem a fragilidade corporal

Poderiam me entender

Viver dói/

Presa no tempo e no espaço

Que escreveu

Escreve escrava

Escrevi

De cicatrizes e cérebros

Cavando e cavada

Por poesia.


Reserve já


Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional

7 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s