Caldeirão da vida

Observaram que aprendemos muito com a dor dos outros/

Já com as nossas mesmas
Nos ferimos/

É como a dona de casa que prepara as refeições todos os dias/

Ela perde o paladar do próprio tempero/

Se cai muito sal ou pimenta em nosso caldo
Desandamos/

Podemos sentir substancialmente o borbulhar

Enquanto os outros só sentem o aroma do guisado/

Pior ainda quando se derrama a própria essência sem ver/

O fato é que querendo ou não
Nossas cortes e amores serão

Misturados

Amassados

Moldados

No caldeirão da vida/

Na qual podemos optar

Em procurar ou não

A poção mágica.

Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional

11 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.