Demodê.

Saber que passarei

Perderei o fio da meada

Quem desvendará?

Passei de casa em casa

Trocando

De pele em pele

Tentando encontrar

O ponto sem nó

Usei dedais em vão

Nunca fui boa costureira

Não gosto de remendos

Tive que aprender viés

Naqueles dias barra

Senti o picote

Nas bordas e nos aviamentos

Assim somos tecidos

No avesso e no direito

Querendo se encaixar

Num modelo pré fabricado

Até ficar

Demodê

O que deixarei?

Meu traçado

Um molde para costurar.

Este trabalho está licenciado uma Licença

Creative Commons

Atribuição 4.0 Internacional

2 comentários

Que tal deixar a sua opinião?