Fatias fatídicas.

Fico admirada em passar e ver o tanto de pessoas que existem nesse mundo.

No trem, na sacada, na calçada, na praça, no mercado, na escola, no escritório, no berçário, no sanatório…

Gente de toda e qualquer idade, raça, gênero, humor, status, estudo, generosidade…

Cada dia alguém novo, uns que sentem gastura desse mundo, outros com gana de revolucionar, os que não querem estar e os que querem eternizar.

Os que não querem ser o que são, e os que não sabem o que quer (esses são muitos).

Entre tantas diferenças, algumas similaridades: a estranheza, a dúvida, o desejo de aceitação.

Existem tantas pessoas, mas esse mundo não aceita à todos de braços abertos.

Me pergunto para onde vão?
Para onde vão quando estão sozinhas, quando estão no começo e no fim.

Entre tantas pessoas desse mundo, caminho, sem saber como caibo aqui.

De perto são iguais todas as fatias fatídicas e seus carnavais.

Este trabalho está licenciado uma Licença

Creative Commons

Atribuição 4.0 Internacional

3 comentários

  1. Ontem à noite fui a um show. Não foi o tão esperado. Então, andei exatamente com esse pensamento para passar o tempo.
    Muitas vidas, muitas possibilidades, … Andei a tentar ler algumas como vc fez no trem. Isso faz-me mal e acende o stop. Rsrs
    Vou tentar fazer um post sobre esta noite ainda hoje, mas coincidência com o seu post.

Que tal deixar a sua opinião?