Tome o remo.

Em que barco eu vou?

Duas visões

Na mesma ilha

Num oceano de imaginação/

Nadarei de braçada

Enquanto posso enxergar

Por vezes é mais prudente ver

Do que estar

Na caverna/

Atravessamos de tudo

Do buraco escuro

Ao azul paraíso

Sem saber

Onde devemos

Onde queremos

Estar/

Talvez a vida seja só isso mesmo

Contemplação

No templo do corpo

Que não sabemos lidar/

O corpo e o outro

Juntos podem criar

Mais que vida e berço

Também força para ultrapassar

De um buraco para o outro

Sem tantos pesares

Mas…

Navegamos sós.

Este trabalho está licenciado uma Licença

Creative Commons

Atribuição 4.0 Internacional

13 comentários

  1. Concordo com O Miau do Leão: belo poema, bela gruta, bela foto (Capri?).

    Dizem que ao retornar do Tártaro Ulisses teria passado pelos arredores de Nápoles, onde se encontrou com as sereias, que lhe enfeitiçaram.

    Esse post certamente teve o mesmo efeito em mim!

    Um abraço e boa viagem ❤

    Curtido por 1 pessoa

  2. Desculpe-me pela falha no envio do endereço da minha página. Não tenho ideia do por quê o envio falhou. Tento de novo, espero que dê certo. Não há nada de especial, a não ser talvez pelo fato de que eu nunca serei capaz de refazer essa “tela”, e outras, que já têm uns dez anos ou mais.

    Do blog Ó-AQUI (FLICKR): https://www.flickr.com/photos/148679112@N06/

    Darlan
    OBS.: Antes de reenviar para você, testei agora, enviando para mim mesmo, e tudo certo.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.