Por segundos fomos uma.

Cabelos brancos encaracolados na altura do ombro; pele pálida, fina e enrugada do tempo; olhar longínquo e cansado de quem já viu muitas estações.

Assim desenhei na mente, aquela senhora que vi na janela do terceiro andar enquanto eu passava de ônibus.

Era muito cedo, o frio estava intenso e lá estava ela, na janela arrumada de flores e velas.

Pensei na sua solidão, que podia estar descansando numa hora daquelas. Mas já estava ali toda arrumada e aprumada para ver o dia começar, com seus transeuntes pra lá e pra cá, sacos de pão, cachorros tremendo, mochilas escolares, gorros, muitos gorros, cachecóis e luvas.

Do alto do prédio, poucas luzes acessas, entre elas a do terceiro andar. Convidando me para entrar, e eu entrei, naquele rápido flash de uma passagem de ônibus.

Entrei, na própria imaginação do que eu poderei a vir ser um dia. Se é que o tempo e as estações permitirem.

Por segundos fomos uma…

A cada segundo somos um, já não penso como ontem. O ônibus segue seu destino.

Será que ela me viu? Como me mentalizou?

Imagens, somos feitos de imagens e imaginação.

Presos nas teias das nossas cabeças, livremente soltos nas veias do mundo, entregues a própria sorte, até que a morte nos separe.

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional

8 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.