Fêmea ninho.

Choro sim

Nós mulheres temos muito o que provar

Não nas dores 

Nas vozes 

Preciso falar 

Não me fale “fique quieta

Escute 

Se suportar 

Dói aqui

Ofende ali 

Não é sua voz alta e grossa 

Que há de me calar

Falo 

Posso até morrer

Não é o teu falo que há de me calar 

Sofro

Logo existo

No meu coração 

Sei bem o que está a perturbar 

Dor que tu não enxergas 

Que pena

Seu interesse não é o único 

Que irá perdurar 

Como os meus… gritam

Sofro  

Que pena

O amanhã dirá

Choro 

Sacrifício 

Caminhos diferentes a trilhar

O que será?

Tuas lágrimas salgadas 

São iguais às minhas 

Pare de querer me assustar 

Preciso de ajuda

Como você 

Somos seres humanos 

No ato de amar

Que nosso filho vingue 

Agora só sei chorar

E escutar 

Vozes que perturbam

Sou assim

Começo e fim

Exercício de amar.

Não terei sono nunca enquanto escutar o som feminino…dói.

12 comentários

  1. Um poema inquietante, como despois de tantos anos ainda existem estes gritos? o poder está em todos os que querem a mudança, e essa começa nos milhares de berços, revolta-me existirem mulheres que ainda não educam os filhos para a igualdade, para a igualdade de tarefas, direitos e deveres… parabéns adorei!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s