Pingos da chuva.


Ando contando pingos de chuva

Para me distrair

O tempo não pára

Agora cada vez mais constantes e

Juntos, os pingos, formam poças

Em volta do meu lar

Poças que se avolumam

Mais do que poderia imaginar

Às vezes me serve de espelho

Às vezes chegam patinhos a nadar

Às vezes vejo sapos e peixes

Percebo tudo isso da janela

Do meu quarto

Num lar que virou aquário

De ar seco

Posso sobreviver

Mas não sei nadar

Olho de novo para fora

Mundo líquido* 

O lago ainda não me afogou

Sozinha conto um a um

Os pingos

Som de ninar à noite

Temor de transbordar no dia

A gota d’água chega para todos

Vou aprender nadar

Eu vou

Contarei braçadas

Para quem quiser ouvir

Sobre os pingos da chuva.



 

*Dica procure saber mais sobre o conceito Mundo Líquido do filósofo Zygmunt Bauman.

 

3 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s