Dona de casa sim senhor.

Minha psicóloga falou 

Desenvolva o outro lado do seu cérebro 

Tudo bem, quero aprender dançar e entender de matemática e/ou física sei lá 

Mas quem garante que serei uma pessoa mais viva do que liberar a Antarctica?

Há tantas regras para seguir

Que às vezes nem sei o que estou fazendo.

Claro queria ter aprendido música, balé e até pintar pano de prato.

A oportunidade não chegou a tempo, o tempo passou e hoje na casa dos 40 danço na cozinha e afino temperança de crianças. 

Quem se interessa por esse som?

Quem reconhece esse dom?

Há tantos restaurantes por aí 

Que me sinto subserviente 

Tentando aprender a ser gente

Nesse mundo de muitos sabores.

Doutora gosto de acordar tarde

De ficar em silêncio 

Aprecio a solidão

Isso é o que gosto de verdade 

Mas não posso falar em voz alta

Por favor, não conte para ninguém.

Entendo que preciso de muitas línguas

Mas como reconhecê-las

Se não sei qual é a minha?

O que você faz?

Sou dona de casa sim senhor.

Compreendo que nada disso é rentável 

Não chegarei em lugar nenhum

Se eu ficar te ouvindo senhor.
Quais são meus planos?

Como estará daqui dez anos?

Tudo bem, quem sabe no mês que vêem eu volte a vender os brinquedos educativos, ou, correr que nem doida nas feiras de livros. Amava fazer isso.

Ou quem sabe dar aulas de filosofia, a licenciatura que nunca usei.

Para o jornalismo não volto, já tive provas suficientes que não é nessa carreira que irei desenvolver meu ser. 

Já posso ouvir a sua voz doutora, e a da minha mãe também, falando: nunca diga dessa água não beberei.

Já bebi tantas águas: límpidas, poluídas, com álcool, com sangue, amarga, amáveis, de chocolate e com o sabor de frutas tropicais.

Mas ainda não era eu…era só parte de mim se formando no útero da Terra.

Aos que me olham querendo ver a minha produção saibam que sim, irei monetizar, converter tudo em cifrões para entenderem minhas capacidades. 

Quando?

Quando a estrela cadente atender meu pedido 

Ela vai atender

Só preciso olhar para o alto.

Achei a cartinha que fiz para o papai noel rasgada no terreno baldio

Eu cresci e continuo olhando para baixo.

Questionei se a visão que tenho dos meus pais é real.

Agora, tendo filhos reconheço que não sou a Mulher Maravilha, nem eles são super heróis 

Vamos tirar nossas capas.

A psicóloga tem razão 

Temos dois lados no cérebro 

Como dois lados no bolo da vida

Eles brigam e não se separam

Somos os únicos exemplar de nós nessa Terra  

Ao mesmo tempo somos nada sem o outro.

Doutora reconheço suas palavras, seu empenho e anos infindáveis de estudo.

Ainda assim sou do contra até o fim

Só assim chegarei mais perto de saber

Quem sou.

9 comentários

  1. No meu período de depressão pensei tanto nisso. Tenho 2 diplomas na área de exatas e hj sou uma simples dona de casa. Hj que me sinto bem, vejo a importância de ser dona de casa e não é nada simples.
    Tb pensei no q fazer, no ir além… A língua é um obstáculo (mistura de inglês e alemão), contornei-o, e hj sinto-me bem.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Minha mãe sempre ensinou que homem e a mulher não dever ser submisso um com outro, a relação deve igual e dividida. Tenho 32 anos e a minha esposa tem 25 e ambos passamos mais tempo fora, apesar ela mais tempo como ela é gerente de loja e sabe comércio não tem muita folga e a parte dona de casa fica comigo e não tenho vergonha e nem vou deixar de ser menos homem . E cozinhar é o que mais amo e eu sai depressão quando comecei acreditar em mim e não ter vergonha de quem sou.

    Curtido por 1 pessoa

  3. Bom dividir experiências. Realmente aí é um mix de línguas. Não imaginava que isso fosse afetar tanto minha vida como foi. O bom de tudo é que toda adaptação traz lições. Abraços 🙋🏽‍♀️

    Curtir

  4. Que maravilha esse depoimento. Sei que será exemplo para muitos. Por aqui é super normal essa divisão do trabalho. É tão belo passar nos parques e ver os pais brincando com os filhos, empurrando carrinho, fazendo compras. Sua mãe te deu um passaporte de ouro que é ver a dignidade no outro, que para isso temos que fazer nossa parte também. Quanto ao cozinhar e a depressão, não tinha feita essa interrelação, realmente quando estou na cozinha me desligo, sinto o aroma dos temperos, as cores dos alimentos, toda a química envolvida ali. É muito bom. Obrigada por comentar🙋🏽‍♀️

    Curtido por 1 pessoa

  5. A pressão exterior sempre acaba influenciando nossas escolhas, de certa forma. Porém, o mais importante de tudo é fazer aquilo que temos vontade, realizar nossos desejos. Não fazer porque alguém falou, ou deixar de fazer por algum comentário. Se é o que quero, se acho que isso me fará bem, então vou agir como eu desejo. As consequências serão nossas, e, dificilmente, alguém que fala vai estar lá no fim, vendo o resultado.
    Continue realizando e fazendo aquilo que tem vontade, nossa individualidade deve ser superior nessa hora, afinal, se algo for afetar a saúde, será a nossa.
    Abraço!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.