Casa flutuante.

Foto Pixabay

Novamente estava na casa sem alicerce 

O chão flutuava

Pedia e perdia equilíbrio 

As escadas não tinham fim

Cada porta um beco sem saída 

Cada janela um pular, ou, morrer

Morrer de solidão nessa casa gelada

Pular nesse oceano desconhecido

O que adianta esse lindo lustre de cristal?

Se ventar seus estilhaços vão ao chão 

Ainda assim, serão menos cortantes 

que meus pensamentos 

Vou dançar sobre eles

Se o balançar me permitir

Vou dançar 

Ou se não 

Vou me segurar no beiral da janela

Sempre estou a beira

A beira de explodir

A beira de sorrir

Mas não pulo

Ah não pulo

As baleias assassinas que vivem 

Por baixo dessa casa

Não verão meu sangue

Só a cortina do meu corpo

Dançando pendurado nessa janela

Se segurando para não pular 

Quando essa ventania passar

Vou fincar meus pés no chão 

No canto dos passarinhos

Vou fazer ninho

De lá ninguém vai me tirar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.