Se ver nas cores.

E ela perguntou, “Da onde vem o azul?” Silêncio no ar, questionamentos internos, olhares distantes, cabeças para baixo. Enfim, uma resposta didática, científica, pragmática de um aluno na arte de viver. Afinal, somos mestres em querer impressionar. Resposta incompleta.

Mais diretamente, o suprassumo da resposta mais cabível, e singela, está em nós tão adormecido que não sabemos expressar. Vejamos.

Olhe o céu: o azul se dá quando a escuridão se vai na incidência da luz.  

A noite tem seus intensos propósitos… Nos transporta ao se ver nas cores.

Olhe o céu noite e dia, lembre quão imenso é o universo ao qual fazemos parte.

Olhe o céu todo dia, saiba que a escuridão e a luz estão sobre nossas cabeças.

Olhe o céu dia e noite,  imagine o que é eternidade. 

Lua, estrelas, chuva, meteoros, além e porém, refletidos aqui. E ainda assim, passamos dias sem olhar para cima.

“Coragem”, vem ele dizendo. “Já é hora de levantar”. Coragem é o contrário do medo, mas eu queria dormir só mais um pouquinho. Ele não deixa. 

Entra invadindo as frestas das minhas janelas. Improvável não acordar com esse amarelo radiante que nos chama para vida: o sol de todo dia.

Chega lentamente revelando a beleza do azul, faz se auge ao meio dia, indicando o equilíbrio do caminho do meio; enquanto nós estamos frenéticos no corre corre, no ganhar o dia

Continua ele, o sol, ferve e incômoda durante a tarde toda, mostra seus tons de fogo, numa dança de tons alaranjados, faz artifícios no céu; e nós aqui procurando a sombra. 

Hora do pôr, o amarelo que deu luz ao azul, chamou o laranja, que explodiu no vermelho, se desfez espalhando violeta no céu. Como é lindo!

E chega o sono de volta, na escuridão precisamos dormir, para o dia nascer e combinarmos mais cores nessa paleta. 

Cadê o pincel? Não esqueça do trapo, tão necessário para evitar o borrado. Troque a água em cada mudança de cor. Os olhos podem ficar abertos ou fechados. 

Pronto, agora, comece, é sua vez. Criação flui na mão quando olhamos para o céu. Lá está a imensidão. 

Sugiro que não olhe para a luz, ela pode te levar. Precisamos dela como um mistério nesse arco-íris.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s