Olé dos vaga-lumes.

Fascínio e pavor traduziam aquelas noites vaga-lumes.

No interior, a capturar o pisca-pisca da natureza. 

A escuridão traz junto o encanto de seres voadores e reluzentes.

Ainda que minúsculos, tais pirilampos, davam olé na gente. Olé!

Caçadora implacável, corria atrás daquela lanterna, só as pupilas a tocavam.

Magia e fantasia no meio da roça. Com o pedido eterno de me dê uma luz.

Brincadeira de criança: caça vaga-lumes 

Brincadeira de adulto: 

uma vaga, o vagar, um lume.

Vagalumes – inseto da fauna brasileira – com suas lanternas verdes e amarelas

5 comentários

  1. Esse poema me inspirou algo sombrio.

    Quando o medo nos toca
    E a coragem não desentoca
    A dor sufoca, o rancor retoca.
    Luz vaga, vaga aberta, vaga-lume
    Desperta-me do sono profundo
    Sem fundo, sem futuro.
    Num presente fechado
    Passado a meia luz
    Brilhos que ofuscam
    Sombra silenciosa que me seduz.

    abrasOM 🦋

    Curtido por 1 pessoa

  2. Hum… interessante.

    Então, na verdade, foi a imagem e especificamente a frase “uma vaga, o vagar, um lume”… que me inspiraram. Deu vontade de dialogar com seu poema.

    Penso que o que sentimos no momento encontra identificação com algo que lemos, vemos. A mesma sincronia que pode nos elevar, pode também nos paralisar… depende de nossa sintonia, harmonia. hehe!

    Mas é isso aí, o sombrio tem a sua beleza… lidar com ele é um desafio espantoso.

    Afinal, o todo é feito luz e sombra… ver beleza na sombra é integrar a luz.

    Valeu!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s